Informações de contato

Rua Dimpina Pereira Schwartz, 186
Bairro: Governador Roberto Silveira, Itaperuna-RJ

Estamos prontos para te atender
ATITUDE

DILEMAS DE UMA GAROTA DA GERAÇÃO Z

QUEM SELECIONA É VESTIBULAR, MAS VOCÊS ESTÃO DE PARABÉNS, HEIN?!

QUEM SELECIONA É VESTIBULAR, MAS VOCÊS ESTÃO DE PARABÉNS, HEIN?!

Senta que lá vem história…

Esses dias pra trás eu me encontrava ficando com um garoto gente boa, engraçado e bonito. O boy era tão bom que conquistou todas as minhas amigas…

Como eu acabei de chegar na cidade e ele ainda tem o adendo de ser mais velho – a gente acha que idade é diretamente proporcional à maturidade, né mores? – resolvi apostar algumas fichas nessa história. Eu juro que até procurei saber mais sobre o rapaz antes de amadurecer a ideia de beijar aquela boca mais de uma vez. Lá fui eu atrás de informações sobre o dito cujo: “ele é um babaca” – disse uma amiga minha. “Não se apega, ele não presta” – disse um amigo dele. “Usa e cai fora, tem cara de ser moleque” – disse uma pessoa que não tem nada a ver com a história, mas todo mundo quer dar palpite na vida alheia, não é mesmo?

PORÉM, entretanto, contudo, todavia, o que realmente me interessava àquela altura do campeonato era uma intrigante e seríssima questão: seriam aqueles dentes perfeitos moldados por anos de aparelho dentário ou teriam vindo assim do saco do pai dele?

CALMA, NÃO SAI DA PÁGINA… FICA AQUI, FOCA EM MIM!!!

Depois de ouvir muitas opiniões a respeito e chegar à conclusão de que o importante era realmente o belo sorriso que ele ostentava, descobri que o boy perfeito, trabalhador, que cursava a segunda faculdade, estava dando em cima da menina que há poucos dias ele havia taxado de louca e me aconselhado a manter distância. Imagina só, claro que a garota era doida, apaixonada nele e não queria vê-lo feliz com ninguém! Maluca, obviamente. Ele jamais daria em cima dela, logo ele, que “fica com quem ele quiser”.

Talvez a minha amiga estivesse vendo coisa onde não tinha, afinal, ele só tinha sido simpático. Talvez eu estivesse ficando paranoica. Mas o baile segue. Continuei negando as aparências e disfarçando as evidências.

Um belo dia, chegando numa festa com o bendito ao fruto, uma garota alheia na multidão que tomava conta do pub onde estávamos, me puxou pelo braço e sussurrou uma coisa que me deixou, no mínimo, intrigada. Dizia ela: “eu vi que você chegou com o fulano, mas ele estava ficando comigo. Só que como eu fiquei com um amigo dele, ele está tentando me fazer ciúmes com você…”

“Não se apega, ele não presta” – disse um amigo dele. “Usa e cai fora, tem cara de ser moleque” – disse uma pessoa que não tem nada a ver com a história, mas todo mundo quer dar palpite na vida alheia, não é mesmo?

O que pensar, né gente? OUTRA MALUCA, OBVIAMENTE! Coitado desse cara, rodeado de menina sem noção…
Tá tão na cara que todo mundo quer esse ser humano maravilhoso e o coitadinho sofre por ser desejado demais que eu não sei como alguém ainda pode achar que o problema é ele.

Acontece, meus amores, que a próxima “louca” é você. E acredita em mim, ele vai fazer de tudo pra te fazer parecer uma insana apaixonada.
Ele vai querer discutir a relação (que nem existe) e vai se fazer de ofendido insinuando que você só quer usá-lo. Toma cuidado porque ele é mestre em fazer parecer que é você quem insiste em estar com ele. Não cai nesse jogo, é tudo parte de um teatro montado bem antes de você aparecer na vida desse rapaz! De que valem essas duas faculdades se ele é bom mesmo em teatro e encenação?

Ele bate o pé, vira os olhos, cruza os braços, faz biquinho e quando o quesito é persuasão, deixa até o gato de botas no chinelo! Esse rapaz faz de tudo pra chamar atenção, é do tipo que fala mal da namorada do amigo pelas costas, mas na frente chama de “patroinha”.

E pra coroar todo esse circo que ele faz questão de ser o protagonista, no picadeiro que chama de vida, o bom moço ainda arruma tempo pra discursar sobre moral e bons costumes (o velho papo de “faça o que eu falo, não faça o que eu faço”).

Depois disso tudo, aquele sorriso que era maravilhoso, agora é apenas bonitinho e eu só contei essa história gigante pra vocês, pra dizer que quando um HOMEM não quer, ele chega e fala que não quer. Quando um MOLEQUE não quer, ele faz toda essa ceninha digna de Malhação porque na verdade, ele não gosta de ninguém – nem dele mesmo –, mas deseja a qualquer custo ser gostado. Não custa nada dar uma de ENEM e selecionar melhor com quem a gente se envolve, né? Fica a dica!

Vitória Pontes é jornalista, criadora da página no Instagram O Meu Conto de Falhas e uma legítima representante da Geração Z.

@omeucontodefalhas

(…) quando um HOMEM não quer, ele chega e fala que não quer. Quando um MOLEQUE não quer, ele faz toda essa ceninha digna de Malhação porque na verdade, ele não gosta de ninguém – nem dele mesmo –, mas deseja a qualquer custo ser gostado.




Redatora & parceira

DELLAS

QUARENTENA DELIVERY